Carta para o meu coração

novembro 23, 2013

Escrevo essa carta para mim. As vezes é necessário escrever para si mesmo para lembrar daquilo que quase esquecemos. Ou apenas para reavivar o prazer das palavras. 

Escrevo porque trago comigo a necessidade de comunicar e a necessidade de tentar descobrir a beleza das palavras. As vezes esquecemos que as palavras podem machucar, mas muito mais frequentemente esquecemos que as palavras podem ser belas. Esquecemos de fazer o elogio mais facilmente do que esquecemos dos xingamentos.

Falo para mim mesma assim, no plural, porque é mais fácil diluir a culpa quando colocamos a humanidade do nosso lado. Parece que o erro coletivo é mais fácil de admitir, afinal, “todo mundo erra”. Procuro esconder assim a culpa que é minha. É um belo recurso retórico, mas não adianta. Continuo a sentir culpa por todas as palavras rudes que disse e todas as indelicadezas que cometi. Elas não me deixam andar em paz. Tem dias que a culpa é tão grande que paralisa e tenho que fazer uma força sobre humana para continuar andando.
A culpa não é uma pedra em meu caminho, como diria Drummond, a culpa sou eu mesma. E não adianta desviar a rota, ela vai comigo. Isso é o mais dolorido de tudo: eu sei que não adianta fugir. O mundo não é o problema, o mundo é a minha desculpa, meu álibi, o meu problema sou eu. Quando entendi isso, tive que admitir que mudar de cidade novamente continuaria a não resolver os problemas.

Porque o problema, em parte é a própria vida. E não há solução, o jeito é encará-la.
Preciso aprender a ser mais gentil, a escolher soluções mais plausíveis e, sobretudo, a lidar melhor com esta culpa.

Esta carta eu escrevi para mim, porque precisava compartilhar esse sentimento com alguém. Mesmo que o único leitor possível seja o papel.


Carta a um coração que espera

outubro 14, 2012

Caro amigo,

Espero que esta carta o encontre bem.

Não pude deixar de notar uma certa urgência na sua última correspondência. Entendo a pressa que a sua juventude exige e sei que as esperas entre uma carta e outra o angustiam. Entretanto, elas me parecem indispensáveis. Esses silenciosos hiatos são o tempo necessário para o amadurecimento. Sinto que você cresce a cada linha – e eu também. Gosto de pensar que a lentidão das cartas me tornaram sábia mais rápido.

Sei que aguarda uma resposta minha e por isso resolvi escrever não sem alguma hesitação.

A cada conversa, a cada carta o descubro surpreendentemente sensível. Por isso cresce ainda mais meu medo de magoá-lo.

Por não querer ferir seus sentimentos, escrevo esta carta como um alerta:

Não espere mais de mim.

Tudo que lhe posso dar é isto: uma carta sem respostas.

Sei que aguarda por estas palavras, e sei que não era isso que queria ler. Contudo, isso é tudo que tenho para oferecer e que precisava ser dito.
Compreenderei se a minha amizade não o interessar mais a partir destas linhas.

Fica com o melhor do meu afeto.


Carta a um coração distante

outubro 30, 2011

Caríssimo,

Escrevo porque preciso escrever algo que talvez você desconheça. Eu mesma não sei ao certo o que é, mas sinto necessidade de escrever e assim o faço.

Começo esta carta chamando-o de caríssimo, contudo o adjetivo tanto faz, o que importa é o superlativo, afinal, tudo em você é intenso. E é a intesidade o que me encanta em você: o olhar penetrante, o riso descontraido, o pensamento profundo. Não posso esquecer do abraço que parece querer tocar o outro, puxá-lo para o seu mundo – e o mundo retribui em amigos e amores.

Já me esbaldei da sua compania e hoje, sinto dizer, tenho saudades.

Nossos encontros não são físicos: é um encontro de almas, e o brilho no olhar não deixa mentir.

As vezes penso que o amo. Muitas outras, penso que você é apenas mais uma obsessão, entre tantas.

Difícil me curar de você. Nunca tive tantas recaídas de uma mesma doença. Meus sistema imunológico se rendeu ao seu charme.

É estranho como nos apegamos as obsessões. Mais estranho ainda é como elas fazem parte de nós, e quando menos esperamos, passam a nos definir.

Já fizemos muito para nos aproximar, mas acabamos ainda mais distantes.

Não escrevo para marcarmos um encontro. Sei que só seremos possíveis em um encontro casual.

Casualmente, esta carta o encontrará.


Carta a um coração que se foi

março 9, 2011

Quando você foi embora eu sonhei que a casa caia sobre mim, sobre nós. Entretanto, você foi embora e a casa continua em pé. Eu também continuo em pé. Agora divido a casa com a solidão e não sonho mais com você. Pode soar triste, mas é para soar calmo. Talvez essa calma de que é feita a maturidade, talvez uma simples anestesia da melancolia.

Há um ano você se foi e aprendi a ocupar os espaços que ficaram sem os seus sons. As vezes acho que fiquei mais parecida com você agora. Com certeza fiquei mais próxima a mim.

Sem teus olhos a vigiar, a minha dança ficou mais fluida e me encanto com alguns movimentos. Canto mais, é verdade, contudo, a minha voz ficou mais quieta sem teus ouvidos a reinventar as minhas histórias.

Você vai me perguntar se sinto saudade. Eu não acho essa resposta importante.
A casa continua em pé. Você voltaria?


Tenho as mãos frias – e ainda nem morri.

janeiro 27, 2008

Tenho as mãos frias e ainda nem morri.
Ando pelas ruas vestida com um casaco preto em pleno verão. Mesmo de olhos fechados posso sentir, pelo tremelicar da calçada, a velocidade dos carros. Vejo uma mulher varrendo e seu movimento me hipnotiza. Poucos pássaros atravessam meu caminho: neste horário eles vão se alimentar em lugares mais generosos. Presto muita atenção ao que se passa ao meu redor, pois dentro de mim não passa nada – tenho o coração vazio.
É janeiro e a cidade está toda florida, bela, como se fosse primavera. Entre as pétalas, há um filhote de passarinho caído e eu pego para aquecê-lo.
Inútil – tenho as mãos frias.


%d blogueiros gostam disto: