Carta para o meu coração

Escrevo essa carta para mim. As vezes é necessário escrever para si mesmo para lembrar daquilo que quase esquecemos. Ou apenas para reavivar o prazer das palavras. 

Escrevo porque trago comigo a necessidade de comunicar e a necessidade de tentar descobrir a beleza das palavras. As vezes esquecemos que as palavras podem machucar, mas muito mais frequentemente esquecemos que as palavras podem ser belas. Esquecemos de fazer o elogio mais facilmente do que esquecemos dos xingamentos.

Falo para mim mesma assim, no plural, porque é mais fácil diluir a culpa quando colocamos a humanidade do nosso lado. Parece que o erro coletivo é mais fácil de admitir, afinal, “todo mundo erra”. Procuro esconder assim a culpa que é minha. É um belo recurso retórico, mas não adianta. Continuo a sentir culpa por todas as palavras rudes que disse e todas as indelicadezas que cometi. Elas não me deixam andar em paz. Tem dias que a culpa é tão grande que paralisa e tenho que fazer uma força sobre humana para continuar andando.
A culpa não é uma pedra em meu caminho, como diria Drummond, a culpa sou eu mesma. E não adianta desviar a rota, ela vai comigo. Isso é o mais dolorido de tudo: eu sei que não adianta fugir. O mundo não é o problema, o mundo é a minha desculpa, meu álibi, o meu problema sou eu. Quando entendi isso, tive que admitir que mudar de cidade novamente continuaria a não resolver os problemas.

Porque o problema, em parte é a própria vida. E não há solução, o jeito é encará-la.
Preciso aprender a ser mais gentil, a escolher soluções mais plausíveis e, sobretudo, a lidar melhor com esta culpa.

Esta carta eu escrevi para mim, porque precisava compartilhar esse sentimento com alguém. Mesmo que o único leitor possível seja o papel.

Anúncios

5 Responses to Carta para o meu coração

  1. Rodrigo disse:

    “Eu sempre me orgulhei da minha habilidade de formar uma frase. Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia, capazes de causar grande sofrimento e também de remediá-los” (Albus Dumbledore). Lembrei dessa citação quando li seu texto. E sobre a culpa, por mais clichê que pareça, para algumas pedir perdão pode ajudar a aliviar o fardo. Pedir perdão especialmente a nós mesmos. Um abraço! http://rodrigotown.tumblr.com/post/67861891759/caro-futuro-insira-aqui-o-seu-nome-voce-fez

  2. O papel e eu somos dois, escrito e descrito, respectivamente, que te acompanhamos nesta caminhada! Obrigado pelas palavras, querida brilhante escritora!

  3. Anderson disse:

    Por acidente cibernético, navegações e divagações encontrei esse texto, não sei quem você é, mas, pude ver como escreve e preciso parabenizá-la, é muito lindo como você constrói e passeia pelo texto…!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: