Eu preciso de todo o tempo do mundo

junho 11, 2010

Eu não preciso de um tempo, eu preciso de todo o tempo do mundo.

Só assim eu vou conseguir pousar meus olhos sobre o por-do-sol até anoitecer sem a ansiedade me impedindo de ver o dia e a noite.

Eu preciso de todo o tempo do mundo para degustar todos os sabores de um copo d’água.

Eu preciso de tempo – todo do Mundo – para dormir sem despertadores ou a insônia me corroendo os ossos.

Eu preciso de todo o tempo do Mundo para caminhar a beira-mar por todas as praias do planeta, sem pressa – por puro prazer.

Eu preciso de todo o tempo do mundo para convencer a minha amiga, a Loucura, de que todos a adoram e que o quê eles mais querem é ser loucos e, então pegá-la pela mão e sair espalhando paixão por ai.

Eu preciso de todo o tempo do mundo para plantar um girassol e passar os dais a vê-lo adorar o Sol, qual sugeriu Célia Mussili.

Eu preciso de todo o tempo do mundo para ler a infinita biblioteca de probabilidades de Borges e reinventar meus precursores.

Eu tenho todo o tempo do Mundo – Todo homem o tem no agora.

Então, me explica: por que você insiste em querer me dar apenas um tempo?

Anúncios

Todo dia ela faz tudo sempre igual

junho 4, 2010

Viver a rotina, o cotidiano, é uma arte: a arte de se acostumar com o que é real apesar de pouco provável.

Vivo na realidade do supremo absurdo. Se gosto de flores e poesia, a minha profissão é feita de marchas e frias palavras de ordem.
Se gosto do azul e do verde, os transformaram em uniformes para que eu possa me igualar aos outros, sem gosto e sem expressão.
Se gosto de ser assim, me punem até passar a ser assado e, quando assado for, me punem até fritar a motivação, por um motivo qualquer.
Desando a cada ultima forma, pois mudou a cozinheira e o bolo não coube naquela forma. Ontem sorria com doçura, hoje sorrio ainda mais, um riso agressivo de pura histeria.

Thomas Mann disse “A solidão engrena o original, o belo ousado e surpreendente, o poema. Mas engrenda também o inverso, o desmedido, o absurdo e ilícito”. Continuo sozinha, plena de uma solidão que ontem engrenava o poema e hoje engrena o ilícito.

Já fui e já voltei, mas não me pergunte os caminhos. Os que tracei sozinha fizeram sentido, os conhecia bem, suas dores e consequencias. Naqueles em que que fui guiada por senhores não tem rumo certo, eles não conhecem bussulas tampouco mapas.

Hoje me sinto atropelada, perdida, desnorteada. Sinto-me morta. Oca, reberveram em mim infinitos discursos repetitivos.
Não há vida possível neste deserto.

O cotidiano é uma arte, pena que assassinaram o artista.


%d blogueiros gostam disto: