Microcontos

Cada uma das próximas linhas é um microconto, segundo a definição de microconto do projeto A Casa das Mil Portas. Eles definem o microconto como sendo “uma história em prosa contada em cinqüenta letras ou menos“. Conheci-os por sugestão do Inagaki.

Microcontos

* Entre cetim branco e pinho vi a verdade: morrer é ficar só.

* Beijos fugidos e lágrimas frias: uma linha de amor perdido.

* Pobre e feliz. Sabia: alegria não tem dono. Tomou-a para si.

* Era um, tornou-se três: ele, ela e as cicatrizes.

* Era uma vez um fim de história.

Anúncios

29 Responses to Microcontos

  1. Robson disse:

    Gostei.

    Vou fazer um:

    Não consigo. Tentarei de novo. Aprendi?

    Beijos.

    Re.: Hahahaha! Boa! Você acabou de inventar o “meta-microconto” rs. Beijos

  2. Adorei a idéia!

    Seus contos são lindos e tristes. Beleza e tristeza sempre andam juntas…

    Beijos!!!!

    Re.: Obrigada pelo elogio… sabe que eu não havia observado que eram tristes? Só agora que você comentou! Alguns falam de fim de relacionamento, não sei o porquê, mas encaro a idéia de um fim de relacionamento com tranqüilidade… rs Por outro lado, acho que o terceiro microconto é tão otimista que vale pelos outros… rs Beijos

  3. André disse:

    Nossa, que gozado.

    Ainda to digerindo, será isso bom ou ruim? É bonito 🙂

    Beijos.

    Re.: Oi Dé, bom ver-te por aqui. Eu acredito que não precisamos classificar as expressões literárias como boas ou ruins. Eu adoro contos e não deixarei de lê-los por causa dos microcontos. Alias, não apenas contos mas minicontos (recomendo o livro da Marina Colasanti: Contos de amor rasgados). A forma do microconto é mais uma forma de expressão. O interessante dele é o desafia de contar uma estória passar, uma impressão, com apenas 50 palavras. É mais ou menos como fazer hai-kai: é necessário obedecer a forma. Considero um bom exercício de criatividade.
    Beijos

  4. Djabal disse:

    São ótimos os microcontos. Lembrou-me Augusto Monterroso, um guatemalteco, também genial. Beijos.

    Re.: Obrigada, Djabal! Augusto Monterroso? Não conheço! Vou procurar, obrigada pela dica. Beijos

  5. Excelente essa idéia de “microcontos”.
    São difíceis para serem produzidos, pois com a limitação complica muito. Mas vale a pena tentar.

    Abraços

    Re.: Concordo, Fábio! Mas como a limitação serve apenas para este tipo de expressão, considero um bom exercício de criatividade e escrita tentar contar uma estória e passar uma impressão em apenas 50 palavras. Agora, se a estória for boa mesmo, escreve-mos um conto ou, se não der para tanto, um miniconto! Produzir estes pequenos que apresento no post foi um desafio e um prazer. Beijos e obrigada pela visita.

  6. aecioborba disse:

    Perfeitos…

    Também, dia desses, aprendi o que é um contema.

    Mas não vou dizer o que é.

    😉
    Bjo

    Re.: Que bom que você gostou, Aécio! Fico feliz! 🙂
    Ah, você não conta o que é contema, mas já me deu a dica… Obrigada! Beijos
    Ps.: “Contemas porque são contos curtos, ou ensaios para contos. Contos que podem também ser considerados poemas, prosa poética, enfim: contemas.” AÍLA SAMPAIO

  7. Marco disse:

    Puxa! Que legal! Eu não sei se conseguiria. Sou muito prolixo. Mas você mandou muito bem. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

    Re.: Nem fala me prolixidade, Marco! Foi difícil fazer caber no número de letras… Mas não se preocupe com isso: eu adoro a sua “prolixidade” (na verdade proficuidade rs)! Beijos

  8. Mais um dia, repete, grapette. Aula de nada.

    Marcela, você me impressiona.

    Re.: Aula de nada… adorei, Tina!!! Impressionamo-nos uma a outra, então! 😉 Beijos

  9. Ursula disse:

    Gostei dos microcontos :-))
    Beijos

    Re.: Que bom Ursula, eu gostei da sua visita 🙂 Beijos

  10. pedrita disse:

    interessante. beijos, pedrita

    Re.: Também achei, Ped´s… beijos

  11. JuJu disse:

    Ótima idéia! Qualquer dia desses eu faço um monte desses!!!
    Lembram os nanocontos do blog Fora de Sintaxe (www.foradesintaxe.zip.net).
    Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!

    Re.: Adorei! Obrigada pela dica, Juju! Beijos

  12. John disse:

    A música pop é triste por causa das pessoas ou as pessoas são tristes por causa da música pop?

    Gostei dos seus micro-contros, mas ainda tenho absoluta ojeriza a todo tipo de modismo e novidadismo literário, musical, etc. Se ler é algo bom, para que escrever tão pouco?

    Re.: Oi Jonh! A famosa pergunta “Tostines” rs… eu não considero um modismo, mas mais uma possibilidade de expressão. Um desafio a criatividade, a síntese. Não deixarei de ler mini-contos, contos, romances… a história que vai escolher a forma como quer ser contada. Eu gostei de ser desafiada a contar histórias com o mínimo… e inclusive testar possibilidades de histórias que não costumo usar nos meus textos. Não acredito que vá se tornar uma corrente na literatura. Beijos, Jonh 😉

  13. Oi, linda! 🙂

    Lindos microcontos. Daí podem sair estórias de uma vida inteira. 😉

    Um poeminha pra ti:

    “Impossível fazer um poema
    neste momento.
    Não, minha filha, eu não sou a música
    _ sou o instrumento

    Sou, talvez, dessas mácaras ocas
    num arruinado momento:
    espresto palavras loucas
    à voz dispersa do vento…” (Quintana)

    Beijos, linda!!

    Re.: Vida inteira, que finda em um micro conto publicado no obtuario do jornal, na lapide… o que resta da vida é a síntese e a intensidade que ela pode conter… Adorei o poema, obrigada! Beijos

  14. Diga-se de passagem: muito, muito bons os seus microcontos. Você possui uma capacidade de síntese haicaística invejável, Marcela. 🙂

    Re.: Obrigada, Ina! Você não tem idéia do tamanho do sorriso que se abriu desta lado da tela ao ler o seu comentário… beijos

  15. Muito inspirador e dá pra escrever uns cinco por dia..rss Onde vc anda? Tô com saudades. beijosss

    Re.: Concordo, Célia! O duro é achar história para tão pouca letra… rs Ando com uma placa de rede com problemas, e com um monte de coisas para fazer… e com muitas saudades tuas! Parabéns pela volta das crônicas! Londrina ganha muito, e eu agradeço! Beijos

  16. Cadê? Poxa, poxa… heheheehhehe!!!!

    Beijos!

    Re.: Poxa, poxa… também ando procurando uma tal de inspiração, o Sr. a viu por ai? 😉 Beijos

  17. Rafael disse:

    Amei!
    =)

    Vou ver se consigo escrever uns depois!
    ^^

    É este tipo de coisa que as meninas tinham de escrever na agenda e não letras do Babado Novo!
    aheuhaeuhauhe

    Re.: Não dá idéia, Rafael! hehehe Imagina se o Babado Novo percebe o fenômeno e, para não ficar de fora, lança um CD de “Micro-conto musicados”? Além de tudo músicas com uma única frase repetindo por 5 min… não, não melhor não… rs Beijos

  18. Etiene disse:

    Nunca tinha ouvido falar em microcontos. Vou pesquisar, se vou!

    Re.: Eu também nunca tinha ouvido falar, Etiene… fui tentada a primeira apresentação… rs Beijos

  19. Claudinha disse:

    Adorei! Eu quis até tentar, mas só consigo parar quando perco o fôlego,rsrs. Ficou muito legal. Beijão!

    Rs.: Que bom, Claudinha!!! Sorte de nós, seus leitores! Beijos

  20. Lizzie disse:

    A idéia é ótima, contos em caracteres limitados 🙂 Nunca pensei nisso…Rs!
    Que bom conhecer este outro espaço. Sempre com aquele toque talentoso que vc tem!
    Beijo grande!

    Re.: Pois é, Lizzie: os caracteres são limitados, mas a dificuldade não! rs Obrigada pelos elogios! Beijos

  21. fernando disse:

    eu definiria com micro mini contos ..rssssssss..
    abraço

    Rs.: Só não são menores que certas saias, não Fer? Blues beijos

  22. Paula disse:

    Esses microcontos são seus? Nossa, adorei! Principalmente o último, das cicatrizes.
    Que vc consiga aproveitar bastante o fim-de-semana!
    Bjos,
    Paulinha
    http://www.booperfly.blogspot.com

    Re.: Oi Paula! Os micro contos são meus sim! Que bom que você gostou!!! Beijos

  23. gabriel disse:

    Já estava com saudades daqui.
    Mas nossa! Qnta coisa legal, o post do abraço é massa! Preciso vir com mais calma, pra navegar blz.

    desejo ótima semana pra vc Maga.
    e um bjo tbm =)

    Re.: Oi Gabi! Volte sempre, és sempre bem-vindo! Beijos

  24. gabriel disse:

    O melhor microcoto: das cicatrizes. Coisa de gênio.

    Re.: Poxa… que elogio!!!! Obrigada Gabi! (Ps.: coisa de gênio, não: coisa de _Maga… ;)) Beijos

  25. Carlos disse:

    Encontro de Curitiba, muitas e muitas microhistórias, vai?

    Re.: Espero poder presencia-las! Beijos

  26. Marco disse:

    Passei para te (re)ler.
    Carpe diem.

    Re.: Obrigada pela re-visita, Marco! Beijos

  27. […] sentido, o formato “microconto” tanto pode concordar quanto discordar com a afirmativa da […]

  28. Gustavo Gitti disse:

    “Pobre e feliz. Sabia: alegria não tem dono. Tomou-a para si.”

    Genial!!!!

  29. […] microcontos aqui e aqui. Sobre microcontos aqui. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: