Um abraço

agosto 26, 2007

Tem dias em que tudo que queremos é um abraço. Em especial naqueles momentos em que estamos nos sentido frágeis por um motivo qualquer. Naqueles dias em que os desafios parecem maiores do que as nossas forças, neste dia um abraço é tudo que pedimos. Um abraço na hora certa pode operar um verdadeiro milagre.

Pensando bem, nestes nossos dias, o próprio abraço parece ser um milagre. Não encontro outro motivo para que o vídeo “Free Hugs” tenha feito tanto sucesso e tocado muitas pessoas, inspirando experiências parecidas em outras partes do mundo. Outra ocasião recente e emblemática foi a passagem pelo Brasil da Guru Amma. Esta senhora não fez mais do que distribuir abraços a quem a procurou. E precisa de mais?

Um abraço costuma ser sempre bem-vindo. Contudo, melhor, muito melhor, do que receber abraços de desconhecidos é receber um abraço das pessoas que a gente gosta.

Como é bom ser recebido com um abraço dado com carinho. Como é bom naquele dia de tristeza, de desesperança, quando reclamamos não porque acreditamos que aquela pessoa que nos ouve possa nos ajudar na solução dos nossos problemas, mas porque queremos nos sentir amparados nas nossas angustias. Nesses dias o aconchego de um abraço, no fundo, é tudo que pedimos.

E não é só isso: ninguém abraça sozinho. No abraço há uma troca intensa de afeto. Quem abraça não apenas dá carinho: recebe também. A troca é condição sine qua non do abraço. Ninguém perde, todos saem enriquecidos.

Desamor dói. Por isso hoje eu peço: esteja sempre sensível a um pedido de abraço. Esteja sempre aberto para receber um abraço também…

Da próxima vez que encontrar as pessoas que você gosta, tome a iniciativa, e diga a ela o quanto ela é importante para você desta forma silenciosa e direta.

Abrace e celebre o amor da única forma possível: amando.

Trackbacks: Robson Faggiani – O meu sobrinho faz a coisa mais legal do mundo; Polaco da Barreirinha – Thadeu e Tanka


Homo Sapiens Sapiens

agosto 6, 2007

O nome científico do homem moderno é Homo Sapiens Sapiens. E isso é muito importante por nos lembrar que somos duplamente sábios… e tão idiotas. Muitos Homo Sapiens Sapiens usam sua sapiência para a ambição, para o egoísmo, para fazer valer a “Lei de Gerson”. E, por isso, a vida anda ruim na aldeia. E por isso eu repito junto com Cazuza “Declare guerra a quem finge te amar, declare guerra! A vida anda ruim na aldeia. Chega de passar a mão na cabeça de quem te sacaneia!”. Lógico que não estou falando em declarar guerra com fuzis ou agressividade. Declare guerra com atitudes cidadãs. Chega de “passar a mão na cabeça” de empresas que não são ecológica e socialmente responsáveis. Chega de “passar a mão na cabeça” do vizinho que não separa lixo e do amigo que joga lixo na rua. Chega de “passar a mão na cabeça” de quem fura a fila.
Seja cidadão, chega de ser avestruz!
Sejamos sábios, afinal, apenas atitudes cidadãs combinam com a nossa tão sabiamente almejada paz!


%d blogueiros gostam disto: